O que são amuletos e por que são usados?

Segundo o dicionário de Oxford, um amuleto é um objeto, fórmula escrita ou figura (medalha, figa etc.) que alguém guarda consigo e a que se atribuem virtudes sobrenaturais de defesa contra desgraças, doenças, feitiços, malefícios etc.

As histórias que envolvem amuletos surgiram há milhares de anos atrás e muitas dessas histórias repercutem até hoje, no mundo moderno.

Escapulários

A história do escapulario é pouco conhecida, mas o acessório é até hoje muito utilizado em todos os países cristãos.

Sua origem data de 1250, na Europa, e segundo a crença cristã, está diretamente relacionada a um milagre. Nossa Senhora do Carmo teria entregue o primeiro escapulário da história diretamente a São Simão, durante uma oração.

“Recebe, filho amado, este escapulário. Todo o que com ele morrer, não padecerá a perdição no fogo eterno. Ele é sinal de salvação, defesa nos perigos, aliança de paz e pacto sempiterno”.

O escapulário é utilizado até hoje por cristãos em todos os países, como uma espécie de amuleto que garante a entrada no céu em caso de morte durante o seu uso.

Cruz

O uso de cruzes como amuleto não é um costume apenas cristão, como muitos podem acreditar.

Várias religiões utilizam a cruz como um símbolo de proteção ou fé.

A cruz cristã, em forma de “t” é um forte símbolo, utilizado por católicos romanos, ortodoxos orientais, luteranos e anglicanos e além de usarem a cruz como pingentes em colares, no altar, ou presos à parede, também é comum que façam o sinal da cruz sobre si mesmos, como demonstração de fé e devoção.

Nos primeiros séculos do cristianismo, as pessoas usaram o hieróglifo egípcio ankh (que significa vida) como um símbolo da cruz, porque tinha a forma semelhante.

O Tau, uma cruz em forma de “T”, onde não há vertical acima da linha horizontal, também é muito usada entre os cristãos e sua inspiração, assim como a do escapulário, vem da história de um milagre, tendo o Profeta Ezequiel tido uma visão em que o Anjo de Deus marcou o povo de Jerusalém com a letra “Tau”, a fim de protegê-los do perigo.

Pentagrama

O Pentagrama é uma estrela de cinco pontas, envolta em um círculo e simboliza união, harmônia, equilíbrio, o sagrado e o divino.

Na Idade Média, o pentagrama representava a verdade e a proteção contra os demônios ou maus espíritos e foi nessa época que passou a ser usado como amuleto.

Anteriormente, já era um símbolo de poder na Mesopotâmia e na cultura hebraica representava a verdade e os primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco).

Ferradura

Utilizada desde a Grécia Antiga como amuleto, ganhou a fama de proteger quem a possuía em sua casa ou junto ao corpo por ser feita em ferro, um metal respeitado pela sua resistência e considerado o metal mais poderoso pelos gregos antigos.

Também fez parte do costume dos agricultores antigos colocar ferraduras nas portas de casa, celeiros e estábulos, sob a crença de que o costuma afastava os maus espíritos. A crença é até hoje muito comum em cidades rurais de diversos países.

Um dos motivos para acreditar que a ferradura atrai a sorte é muito antigo e surgiu do costume de reis e príncipes colocarem ferraduras de prata ou de ouro em seus cavalos.

Ao longo de suas viagens, era natural perderem-se algumas ferraduras e quando alguém as encontrava, entendia como um sinal de sorte, visto que os metais valiam muito dinheiro.

Patuá

Diversas religiões utilizam o patuá como símbolo de sorte, proteção e devoção, entre as principais estão as religiões de matrizes africanas e as originárias do Islã.

Nas religiões afro, os patuás são amuletos feito com um pequeno pedaço de tecido bordado com o nome e na cor que corresponde ao Orixá da pessoa.

Para quem utiliza o patuá, é natural que carregue-o sempre consigo, seja em forma de colar, pingente, pulseira ou mesmo no bolso ou no chaveiro.

Outros amuletos conhecidos:

Além dos escapulários, crucifixos, ferraduras e patuás, também são conhecidos como amuletos os elefantes indianos, muito usados na decoração da casa, o Olho de Hórus e o Olho Grego, a Mão Hamsá ou Mão de Fátima, a Figa, a Pimenta e o Trevo de Quatro Folhas.